Espiritualidade

Ogum: características, símbolos e seus filhos

Ogum, irmão de Oxóssi e senhor de todas as ferramentas que permitiram a humanidade desenvolver-se é um Orixá guerreiro, conquistador e implacável. Para muitas pessoas, é um herói libertador, para tantas outras, é causa de medo e prudência.

Isso faz, de Ogum, uma das mais interessantes deidades no que diz respeito à compreensão das religiões originárias da África: o maniqueísmo do bem e do mal absoluto não fazem parte desta cultura: são, por outro lado, conceitos misturados, que fazem parte de um conjunto de diversos outros valores em constante relação dialética.

É, Ogum, portante, aquele que permite o progresso, ao mesmo tempo em que representa a guerra e os instrumentos utilizados nela. Sem dúvidas, é um dos maiores símbolos do Candomblé, no Brasil. Saiba mais sobre este Orixá, sua história, suas características e seus símbolos:

Elementos simbólicos de Ogum

Ogum pode ser representado pelo azul escuro ou pelo verde, e – em alguns casos – pelo vermelho, a depender da vertente e das qualidades. Seu dia é a terça-feira, e seu elemento pode ser considerado o fogo ou a terra. Em geral, predomina a importância do fogo, em suas características, embora sua proximidade com Oxóssi coloque o elemento terra em sua gama representativa.

É o Orixá do progresso e da metalurgia, assim como é o  Orixá da guerra e da conquista. Por isso, seus símbolos são os vários instrumentos que carrega consigo, e que deu – no passado – à humanidade para que ela pudesse prosperar. A enxada, a faca, a pé a a bigorna são as mais utilizadas como seus símbolos principais.

História e características de Ogum

Ogum foi regente de Ifé, e é um dos antigos Orixás, cuja história é bastante remota. Fala-se que é o último dos deuses Imolé. Os duzentos deuses da direita foram destruídos em tempos imemoráveis, restando apenas Ogum, com a missão de conduzir os outros quatrocentos que restavam à esquerda.

Por isso, é ele o principal responsável pelo processo civilizatório dos humanos. Carrega, consigo, um molho com sete instrumentos forjados em ferro – que representam sua relação com a metalurgia. Ao mesmo tempo em que forneceu as ferramentas para o homem vencer a natureza, foi conquistador que matou e fez matar a tantos outros.

Por isso, ele carrega a relação dicotômica de ser amado e temido ao mesmo tempo, como uma poderosa divindade que regula os diferentes ímpetos da humanidade. Trata-se de um Orixá que é equilibrado, mas propenso aos extremos, quando necessário.

É hábil, mas violento, e não tem medo de chegar a consequências profundas, quando se faz necessário. Por isso, tomar qualquer decisão relacionada a Ogum necessariamente deve ser bem pensada, e o mesmo pode ser dito a respeito de seus filhos.

Características dos filhos de Ogum

Os filhos deste Orixá carregam boa parte de suas características físicas, e algumas de suas propensões de personalidade. São propensos a desenvolver a musculatura de forma visível, mas são muito menos introspectivos que os filhos de Oxóssi. Assim como Exú, gostam de festas, pessoas, conversas e, eventualmente, até mesmo algumas confusões.

Por isso, brigas e discussões podem se tornar quase um passatempo para essas pessoas. Seus filhos são do tipo “sem frescura”, pois gostam do que é simples e próximo à realidade: batalham, são obstinados, não desistem com facilidade, e não são apegados à vaidade ou ao acúmulo de riquezas.

Neste sentido, podem ser até mesmo impulsivos, gastando tudo o que tem, entrando em brigas e tomando  a frente em diversas situações. Não raras vezes, são conhecidos por sua dificuldade de manter longos relacionamentos, pois são impulsivos e sexualmente muito ativos. É comum que a união dessas características cause problemas nos relacionamentos dessas pessoas, sendo importante ter cuidado neste sentido.